terça-feira, 29 de abril de 2008

mareluz


4 comentários:

andréa disse...

lindo, maravilhoso, foda, incrível... essas palavras estão cansadas e nao exprimem mais o que eu queria dizer sobre seus trabalhos, viu?

Beá Meira disse...

Andrea

As palavras estão cansadas mas ainda têm a força dos velhos sabios.
Há uma vasta discussão a respeito da irredutibilidade da pintura, que é cor em última instância, à linguagem.
"...Surpreso, assombrado, seduzido, o indivíduo torna-se incapaz de falar; sua ruína envolve o desmoronamento de todos os modos discursivos, uma súbita pane de linguagem."
Jacqueline Lichtenstein, referindo-se a esta impossibilidade da tradução da cor em discurso, no livro A eloquência da cor.

As páginas que publico são apenas esboços, anotações e na maioria das vezes "desenhos", por isso não podem ser chamadas de pintura.
A minha necessidade de associar títulos também diminue muito as possibilidades visuais que elas poderiam ter.

daniloz disse...

este pedaço de desenho é o que eu mais gosto.

Beá Meira disse...

Danilo,
Não te mandei o adesivo prometido até hoje! Aguarde.
beijos